Aciub homenageia Icasu durante reunião da diretoria

Em novembro deste ano a Instituição Cristã e Assistencial de Uberlândia (Icasu) completa 50 anos de história, sendo reconhecida como referência pelos trabalhos realizados na formação de jovens para o primeiro emprego. Para reconhecer e homenagear a instituição pelos trabalhos prestados em prol da comunidade a Aciub recebeu o presidente da Icasu, Antônio Naves.

O encontro aconteceu na noite da última segunda-feira (9), durante reunião da diretoria da Aciub. Na oportunidade Antônio Naves falou sobre os projetos desenvolvidos na instituição como: Jovem Aprendiz, Rotativo Zona Azul e Lavanderia especializada.

No final da reunião o presidente da Aciub, Fábio Pergher, entregou uma placa de homenagem ao presidente da Icasu, como forma de reconhecimento pelo jubileu de ouro.

A reunião também contou com a participação do vice-prefeito de Uberlândia e secretário de Trânsito e Transportes, Paulo Sérgio Ferreira, de alguns diretores e alunos da Icasu, do deputado Estadual, Luiz Humberto Carneiro, e de vereadores da cidade.

Sobre a Icasu

A Icasu foi fundada em 1967, e iniciou suas atividades oferecendo apoio assistencial a jovens em situação de baixa renda e ajudava no encaminhamento para o primeiro emprego. Atualmente gerencia a Casa Abrigo para acolhimento de moradores em situação de rua, subvencionado pela Prefeitura de Uberlândia.

A partir de 1973, com o enfoque na situação de crianças e de adolescentes carentes, em parceria com o poder judiciário, a entidade implantou o programa de capacitação profissional, encaminhando e acompanhando o jovem ao programa de inserção ao mercado de trabalho. Os cursos de capacitação profissional para o adolescente eram realizados por empresas terceirizadas.

Em 2003, a Icasu assumiu todo o programa de qualificação profissional, estando incluso nele o projeto bolsista, que possibilitou o oferecimento de bolsas para adolescentes de famílias de baixa renda, atendendo a um contingente significativo em relação aos anos anteriores.

A promoção desses projetos, assim como os cursos oferecidos, só foram efetivados graças a um convênio firmado junto a empresas e órgãos públicos, o que possibilitou a geração de renda interna, responsável pela manutenção da instituição e das famílias por meio do produto de seu trabalho.